Pular para o conteúdo
Voltar

Dicas para o Consumidor comprar sua fantasia de carnaval

Dominique Biancardini

A | A

O consumidor que deixou para comprar na última hora sua fantasia deve ficar atento a algumas dicas para aproveitar bem a festa de carnaval.

Para compra das fantasias no comércio local a primeira dica é pela tradicional pesquisa de preços. Os vendedores ambulantes também tem responsabilidades perante o Código de Proteção e Defesa do Consumidor, porém, é fundamental exigir documentos que comprovam a compra, a fim de facilitar o cumprimento de seus direitos, caso tenha problemas com o produto escolhido.

A diferença de preço entre comprar ou alugar fantasia varia bastante. Se a fantasia será usada uma única vez, alugar pode ser uma boa opção. Mas se quiser diminuir os gastos, customizar é uma opção prática e barata. É possível criar uma fantasia personalizada enfeitando peças de roupa com lantejoulas, glitter, fitas e etc...

Outra dica importante para evitar surpresas desagradáveis no dia da festa é verificar a composição do tecido ou outro material com o qual é confeccionado, lembrando que a fantasia, como qualquer outra roupa deve apresentar na etiqueta as características têxteis do produto como composição, tratamento e cuidado para conservação e identificação do tamanho.

Saber a composição ajuda a evitar reações alérgicas a determinado tipo de tecido, especialmente no caso das crianças. Para as crianças têm fantasias próprias, por isso jamais compre uma fantasia de adulto para vestir uma criança. Nas embalagens das fantasias infantis há a indicação sobre a idade ideal do usuário, composição e o selo do INMETRO.

Se as chuvas derem uma trégua e o tradicional calor de Mato Grosso preponderar necessário será ter uma fantasia com tecido leve, que não armazene tanto calor para que nada atrapalhe a alegria da festa.

Outro alerta importante é relacionada aos acessórios como máscaras e brinquedos infantis que também devem apresentar a etiqueta do INMETRO. Máscaras, por exemplo, podem causar asfixia e outros brinquedos podem ter peças pequenas que podem ser engolidas. Assim, verifique a faixa etária à qual o produto se destina e sempre procure o selo de segurança na embalagem. Ele é a certeza de que o produto não oferece risco aos consumidores.

O Procon Estadual atende ao público das 13h às 19h, de segunda a sexta-feira, na Avenida Historiador Rubens de Mendonça (Avenida do CPA) nº 917, no bairro Araés. O órgão também tem um posto de atendimento no Ganha Tempo, localizado na Praça Ipiranga, Centro. Os telefones para esclarecimentos de dúvidas são 151 e 3613 8500