Pular para o conteúdo
Voltar

Regras sobre cobranças de serviços prestados em salões de belezas

Dominique Biancardini

A | A

Em busca de uma aparência melhor e de mudanças no visual é cada vez mais freqüente a presença dos consumidores em salões de beleza, que investem tempo e dinheiro em serviços como corte, tintura, escovas, químicas, manicure, pedicure, entre outros. No entanto, muitos clientes são surpreendidos na hora de acertar as contas.

Assim, reclamações como cobrança de escova após o corte sem que a consumidora tenha sido previamente informada, dentre outras começam a ser freqüente. Além de o preço ser cobrado do consumidor, mesmo que o serviço tal como química ou corte não produzam o mesmo efeito desejado e combinado entre as partes.

O consumidor deve ser previamente informado acerca do serviço que será realizado. As informações devem ser corretas, claras, precisas e deve abranger todas as características do serviço, inclusive o preço. Portanto, o consumidor deve ser informado se o estabelecimento comercial tiver prática de individualizar preços de lavagem, tintura, corte e secagem dos cabelos, com placas de serviços e seus respectivos preços.

No caso das tinturas e outras químicas, é recomendável conhecer algumas referencias do estabelecimento. Observe, por exemplo, se o salão está habilitado a fazer o procedimento que procura e se os produtos e equipamentos são de qualidade. Diplomas e certificados dos cursos concluídos pelo cabeleireiro podem ser exigidos pelo consumidor.

Para evitar surpresas desagradáveis, o consumidor deve conversar com o profissional primeiro sobre suas reais necessidades e sobre qual sua idéia de resultado final do procedimento. É importante o consumidor solicitar nota fiscal para cada serviço prestado no salão. Caso haja a necessidade de fazer reclamação, o consumidor deve fazer prova de suas alegações mediante fotografias, testemunhas e cupons fiscais, pois apesar do Código de Defesa do Consumidor (CDC) prever que é o fornecedor que deve provar que não causou danos à cliente (inversão do ônus da prova), este tipo de prova colabora bastante para o reconhecimento do direito.

Antes de procurar a justiça, é recomendável tentar resolver a questão no próprio estabelecimento. Se essa alternativa de solução do problema não for satisfatória, o próximo passo é registrar uma reclamação no Procon.

O Procon Mato Grosso está localizado na Avenida Historiador Rubens de Mendonça, nº 917, e atende ao público de segunda a sexta-feira, das 12h às 18h. O órgão possui também um posto de atendimento no Ganha Tempo, Centro. Os telefones para dúvidas e orientações são 151 ou 3613-8500.